Lilith

Na cabala, Lilith seria a mulher criada ao mesmo tempo que Adão, portanto, antes de Eva ser criada. Eva teria sido criada posteriormente a partir da costela de Adão, mas Lilith teria sido criada durante o peíodo noturno, a partir do barro.
Lilith entrou em contradições com Adão, costumava dizer que ela e Adão eram iguais, já que ambos vieram da terra. Lilith queria liberdade de escolher, opinar, decidir. Queria os mesmos direitos do homem. Discutiram sobre esse assunto e Lilith, rebelada, pronunciou encolerizada o nome de Deus, fez acusações a Adão e fugiu para a região do Mar Vermelho, que era habitada por demônios e espíritos malignos segundo a tradição hebraica. Lilith se torna então a esposa de Samael, o senhor das forças do mal.
Adão queixou-se a Deus sobre a fuga de Lilith, e para compensar sua tristeza, Deus cria Eva a partir da costela de Adão.É o modelo feminino imaginado pelo padrão ético judaico-cristão. A mulher submissa e direcionada para o lar. Assim, enquanto Lilith é a força destrutiva, Eva é construtiva. Lilith costumava seduzir os homens, as crianças, os inválidos e os recém-casados aprisionando-os e causando-lhes orgamos extasiantes. Representa o ódio contra a família, ódio aos casais e aos filhos. Evova desta forma a imagem das Lâmias da mitologia grega. É lançada novamente ao fundo do oceano onde não pára de se atormentar pelo desejo, a perversão que a impede de participar da normalidade.
Há também uma outra tradição na qual Lilith também fora criada independentemente de Adão. Nessa outra tradição, Caim e Abel teriam brigado por Lilith que seria a primeira Eva.
Lilith é comparada a Lua negra, à sombra do inconsciente, ao obscuro.